terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

O melhor negócio do mundo é o Estado, é o Governo!



Ele não produz nada;

Ele não gera riqueza;

Ele não resolve problemas;

Ele entrega serviços gratuitos, pelo maior preço do mercado. 

Ele é sócio com no mínimo 33% de todo empreendedor do mercado em todo território nacional. 

Ele te chama de contribuinte, mas toma seu dinheiro na marra em forma de impostos, cria um banco  ( BNDES) e te empresa de volta o seu dinheiro, isso quando empresta, e este mesmo banco subsidia empréstimos com juros abaixo do valor de mercado para os seguimentos que participam de esquemas de corrupção juntamente com os agentes do Estado ( políticos, concursados, nomeados, policiais, juízes, ministros, médicos, administradores, jornalistas, veículos de imprensa, empreiteiras, gráficas etc) e quando aparece uma crise, crise essa criada pela intervenção do estado na economia e no mercado, eles, agentes do estado te enganam,  dizendo que a solução para a crise é mais intervenção do estado, que por sua vez demandará mais cobrança de impostos para refinanciar suas contas e as contas dos amigos do poder.

A única forma de resolver essa equação de uma vez por todas,  é atacar o único agente que cria e causa o problema, o Estado. Diminuindo e reduzindo-o ao máximo possível o tamanho do estado, tamanho esse que ele nunca deveria ter deixado de ter...  acabamos com os problemas gerado por ele, estado, que são todos, absolutamente todas as crises da história decorreram por ação direta do Estado.

O estado deve ser responsável apenas pela segurança de todos e garantir a LIBERDADE, e nada mais.


Todo o resto, deve ser dever do indivíduo e papel do mercado em prover, por meio de livre negociação entre as partes, cabendo ao estado estabelecer as regras mínimas para evitar a tirania e as ações indesejadas no mercado. 

A imprensa do Brasil é seletiva e tendenciosa.

Qual é o motivo que leva a mídia brasileira a ignorar alguns acontecimentos, que seriam manchetes de primeira página em qualquer lugar do mundo?

Imagem do protesto de 19/02/2017 contra o “Estatuto do Desarmamento” 
na Avenida Paulista, em São Paulo – SP

O que de fato acontece com os nossos veículos de comunicação, que se negam por exemplo a dar noticias sobre Bolsonaro? No entanto não se privam de falarem mal dele, sempre que têm a chance, ainda que não seja uma notícia confirmada como verdade. E quando notam que é um boato não dão a repercussão devida para esclarecer o próprio erro.

Entendo que como classe, como seguimento social não gostem dele, mas isso não pode ser motivo para só passar noticias depreciativas ou só falarem mal, tem que por principio a imparcialidade e divulgar os acontecimentos que interessem a quem goste do deputado também. E não falo só dele, a imprensa nacional simplesmente ignora qualquer noticia que tenha ligação com liberais do Brasil, com conservadores do Brasil.. 


O MESMO ACONTECE COM QUALQUER NOTÍCIA RELACIONADA AO MOVIMENTO QUE PEDE O CANCELAMENTO DO ESTATUTO DO DESARMAMENTO, E A LIBERAÇÃO DO PORTE DE ARMAS PARA O CIDADÃO DE BEM.


Creio que cabe a Brasil 247Revista Caros AmigosTijolaçoCatraca LivreMídia NinjaO GloboG1 - O Portal de Notícias da GloboGloboNewsFolha de S.PauloEstadãoVEJA responder o motivo dessa seletividade, uma vez que chamaram de manifesto um único petista gritando Fora Temer e Fora Dória em uma matéria sobre o prefeito de SP, mas uma manifestação significativa que aconteceu em SP, sobre um assunto tão importante, não rendeu nenhuma matéria desses veículos de comunicação, que sabidamente são contrários a liberação do uso e porte de armas para a legitima defesa do cidadão de bem e apoiam abertamente o bandido que usa arma ainda que isso transgrida a lei, pelo motivo de todos serem formados em um curso que sabidamente é doutrinado e dominado pelas esquerdas no Brasil.


Infelizmente o jornalismo no Brasil é ruim, pois tem posicionamento politico não só nas redações mas dentro das universidades. Isso tem que ser atacado urgentemente, pois quem acaba tendo prejuízo com isso é quem paga e consome esse tipo de jornalismo tendencioso.


Vale lembrar que em 2011 e 2012 quando começaram os protestos que culminaram em 2013 e depois na saída de Dilma, esses mesmos veículos se negavam a dar noticias sobre esses protestos, eles internamente chamavam o movimento de apoio a ditadura militar, sem se quer ouvir representares dos diversos movimentos que iam as ruas aos domingos, mas davam larga cobertura aos movimentos que atrapalhavam o transito durante a semana, formado por manifestantes pagos pelo PT e sindicatos que iam as ruas para defenderem o PT e o governo Dilma.


Passou da hora das pessoas pararem de consumir esses lixos travestidos de veiculos de informação e começarem a exigir que quem queira atuar nesse ramo, o faça de forma imparcial e não esse jornalismo vendido, chapa branca feito por uma imprensa marrom que é doutrinada em faculdade e acha que pode se posicionar ideologicamente e militar politicamente...


A próxima crise no mercado brasileiro será justamente no setor de noticias. Quem não tiver competência vai ter que passar a se virar como revistinha de fofoca ou arrumar uma boquinha extorquindo ( o que a maioria já faz) prefeitos e governadores a pagarem um valor por mês e empregar alguns colegas de profissão em troca do silencio da imprensa sobre noticias ruins dos governos. A imprensa que tanto reclama da corrupção é tão corrupta quanto os políticos que eles tanto criticam.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Piada pronta.

Art. 1, § 1 da Constituição Federal de 88


Parágrafo único. Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição .


quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

É RIDÍCULO TER SAUDADES DO GOVERNO MILITAR.


Como alguém, em sã consciência, pode ter saudades de um governo opressor, perseguidor que tinha, apenas, 12 ministérios?

O governo oprimia vagabundos e desocupados para que saíssem das ruas e de grupos comunistas e fossem trabalhar, ao invés de querer viver de ideologia roubando o dinheiro público.

O governo era perseguidor, era implacável contra bandidos, perseguia e matava os bandidos, mantinha a população segura e os bandidos e vagabundos na cadeia.

12 ministérios... ???? Como assim???? Isso seria a prova, inequívoca, que o país não era bem administrado? Já que hoje temos 30?

Como confiar em presidentes militares, e chefes de comandos que morreram pobres?
Como um homem que ocupa o cargo máximo de uma nação, sem fazer fortuna, prova que não sabe aproveitar oportunidades, nem gerir o patrimônio próprio. Um incapaz.

Como ser saudoso de uma época de ditadura, onde todos os cidadãos tinham direito ao livre acesso às armas de fogo? Onde era dado ao cidadão o direito de se defender. E pior, a repressão era tão violenta que, mesmo armados, os cidadãos não se matavam. Isso demonstra o medo da população contra aquele governo bárbaro.

Como respeitar um regime que criou o INSS, o PIS, o PASEP, regulamentou o 13º, instituiu a correção monetária, criou o Banco Nacional da Habitação, o FUNRURAL, construiu mais de 4 milhões de moradias e abriu 13 milhões de vagas de emprego? ( essa parte eu como liberal tenho considerações, pois hoje o mercado de trabalho é burocrático e atravanca o crescimento por causa de muitas dessas criações que na época podem até ter tido sentido e ter ajudado, hoje não mais... )

Melhor nem falar de infraestrutura, nesse quesito os militares foram simplesmente ridículos, como pode em 21 anos conseguir asfaltar só 43.000Km de estradas, construir 4 portos, reformar outros 20, instalar as maiores hidrelétricas do mundo, descomplicar a produção da Petrobrás, criar a Embratel e a Telebras, implementar dois polos petroquímicos, entre outras coisinhas sem importância como a ponte Rio – Niterói entre outras....

A educação era ridícula. Pegaram o país com 100 mil estudantes secundaristas e transformaram em 1.3 milhões.

Criaram o Mobral, o CESEC, a CNPQ e o programa de Merenda Escolar. ( talvez o maior erro deles, foi onde a esquerda entrou e doutrinou a educação)

Nestes vergonhosos anos de chumbo, onde o PIB cresceu 14%, as exportações saltaram de 1.5 para 37 bilhões, atingimos a 7ª economia mundial e nos tornamos o 2º maior produtor de navios do planeta. Uma catástrofe!! Quantos navios nós construímos hoje mesmo???

Realmente, durante essa página negra da história nacional, pelo visto, apenas os presídios funcionavam. Esses, sim, um exemplo. Neles entraram terroristas, assassinos, assaltantes, guerrilheiros, sequestradores, e saíram deputados, ministros, governadores e, até, dois presidentes. 

Isso que é recuperação. Agora só falta você fazer a sua parte, exigir que minimamente quem critica o regime militar te dê em troca algo muito melhor, caso contrário não tem argumentos para criticar...

sábado, 26 de novembro de 2016

Trump seria um socialista disfarçado de conservador?

O maior acionista do New York Times (grupo jornalístico que abdicou de apresentar notícias e passou a fazer campanha para Hillary) e oitavo homem mais rico do mundo ( mega capitalista), o mexicano Carlos Slin tem grande parte de sua fortuna vinda da sua empresa de telecomunicações.

Os países membros do NAFTA tem acordos de isenções tributárias com alguns países da América Latina e obviamente Slin é beneficiado, pois um dos acordos envolvem as telecomunicações. ( interessa a ele e sua fortuna manter os acordos, uma vez que Trump detectou que esses acordos são ruins para os EUA e iria acabar com eles, que só beneficiaria os capitalistas e não a sociedade).

O New York Times apoiou a Hillary Clinton, fez campanha para sua vitória, chegou a anunciar sua vitória um dia antes das votações ao invés de fazer jornalismo ( tudo isso apenas para atender os interesses de investidores que se aproveitam dos impostos pagos pelos americanos). A tragédia é que os jornais brasileiros pegam informações vindas do NWT e parecem não terem a preocupação de confirmar se as notícias são verdadeiras ou não.

O Trump disse que quer mudar alguns acordos como o NAFTA, porque eles seriam prejudiciais aos americanos e beneficiariam apenas a um grupo de empresários.

Ou seja, o maior acionista do NYT poderá perder mais dinheiro (ele já perdeu 4,7 bilhões) e privilégios e dependendo de onde Trump tocar, ele perderá muito, mas muito mais..

Você com certeza não sabe disso, e agora eu te pergunto: reparou como na verdade muita gente pode perder dinheiro e privilégios com o Trump? E quem vai perder dinheiro são justamente aquelas pessoas que financiam a revolução pelo mundo. Você nunca se perguntou o motivo dessas pessoas ( capitalistas) financiarem o socialismo?

E você ainda vai ficar acreditando fielmente em tudo o que te falam no Brasil de política internacional?

Saia da sua caixinha e ouça sempre todos os outros lados além daquele que alguém te doutrinou a aceitar como certo, construa suas convicções sobre analise autônoma de fatos e não sobre o interesse de quem manipula as informações para tirar algum proveito, seja ele ideológico ou econômico.



E você aí achando que o Trump era o anticristo. Acreditando que ele de fato explora os pobres, como seria isso? Já que ele quer retirar as fabricas americanas que exploram a pobreza de países subdesenvolvidos e devolver as linhas de produção aos EUA, devolvendo o trabalho para os americanos, não foi isso que a esquerda sempre quis? Sempre revindicou? O fim da exploração americana aos Chineses, aos Indianos e outros povos explorados?

 Lembre-se, informação é poder, pela informação você mantem um povo bem informado ou aliena esse povo e o escraviza. E você que acreditava que Hillary era o melhor para o mundo, adivinha de que tipo de povo você faz parte?

domingo, 18 de setembro de 2016

Um olhar rápido do ponto de vista liberal para a Economia Brasileira.

Em 2016 A liberdade Econômica em pontuação do Brasil foi de 56,5, no mundo o país despencou mais um ponto, e agora ocupa a posição 122, e é considerado um país não liberal, ou seja ruim e de alto risco para investimentos de longo prazo, ideal para o capital especulativo ( algo como uma agiotagem).

Isso implica em dificuldades enormes na capitação de recursos, no desenvolvimento de novos projetos que geram emprego e renda, além de forçar a produção intelectual que está em franca decadência desde o início do segundo governo Lula e não se recuperou até hoje, para baixo. A cada dia os postos de empregos ligados a tecnologia estão, ou desaparecendo, ou sendo ocupados por pessoas vinda de fora do país.

Com relação a essa analise o nosso PRESIDENTO Michel Temer disse que isso é bobagem, que essa coisa de liberdade de mercado e estado mínimo é uma grande bobagem. Não satisfeito com isso o PRESIDENTO anunciou um projeto de concessão no setor de infraestrutura do país. Isso seria uma ótima notícia, não fosse o projeto elaborado com 80% de investimento público, do tesouro nacional e do BNDES, ou seja, do bolso de quem pag impostos, funciona a grosso modo exatamente como as privatizações de FHC e as concessões de Lula e Dilma, uma forma de expansão artificial de credito para abrir espaço no caixa do governo que ao invés de economizar vai ampliar os gastos em 2017, basicamente o projeto é uma incubadora de crise a longo prazo, uma vez que a euforia do mercado acabe e os 20% de dinheiro do mercado sejam retirados em forma de apuração de lucros e dividendos isso vai pesar no caixa do governo, pressionando o aumento de impostos para manter a grande e pesada maquina publica, o que dará início a outro período de desaquecimento, desemprego que culmina em crise, só que dessa vez com menos lastro de capital e menos potencial de cobrança de impostos para recuperação, como vem acontecendo a cada crise que o país passa.


Nas Américas do Sul e Central ocupamos apenas a posição de número 22 no ranking de liberdade da Heritage, começamos a ter algum destaque na relação de comercio internacional, onde a classificação é de comercio “ mais ou menos” livre, mas as pesadas taxas e impostos ainda são um grande problema para a evolução do país nesse seguimento.  

A exportação resume-se a commodities, agrícolas e minerais que estão em queda no mercado mundial devido a retração da economia chinesa e o crescimento lento da economia americana, além da falta de acordos de comercio com os demais países consumidores e blocos econômicos do mundo, hoje o Brasil está fora dos grandes balcões de mercado do mundo, o fato de não agregar valor industrial e de manufatura nas commodities faz com que o mercado brasileiro sinta de forma muito direta a crise mundial no mercado das commodities.


A maior preocupação dos investidores internacionais hoje, ontem e sempre, e o motivo deles só investirem se for para ganharem muito e isso significa altas taxas de juros,  são a corrupção, a gestão ruim das Finanças Públicas e a eficiência na Regulação, tornando o mercado cada vez mais burocrático e desinteressante para o capital estrangeiro, ou seja, a falta de liberdade associado a cobrança de muitas taxas, encargos, e impostos que não são revertidos para a população, ou em benefício da facilitação de expansão do mercado e que se perdem em esquemas de corrupção em obras públicas populistas que geralmente não são acabadas, ou saem muito do prazo e desaquece o mercado e a expectativa que criaram tornam a nossa economia basicamente de especulação.


O ambiente regulatório onera e dificulta a transformação econômica necessária, enfraquece realização do pleno potencial da economia e do aumento real do tamanho do mercado brasileiro, além disso o crescimento da dívida pública e maiores custos de serviço da dívida mantém a pressão fiscal elevada, criando assim cada vez mais a necessidade do aumento da carga tributária e a manutenção dos impostos que deveriam ser transitórios, passando a definitivos, afastando o crescimento do setor privado. E isso impacta diretamente na criação de postos de trabalho.


O país vive um verdadeiro paradoxo fiscal, quer crescer e gerar emprego, por não ter dinheiro para fazê-lo ao invés de economizar aumenta a carga tributária, que por sua vez gera desemprego e recessão, onde o remédio do governo vem na forma de mais oneração ao mercado e não na forma de poupança e economia com os gastos públicos.