domingo, 18 de setembro de 2016

Um olhar rápido do ponto de vista liberal para a Economia Brasileira.

Em 2016 A liberdade Econômica em pontuação do Brasil foi de 56,5, no mundo o país despencou mais um ponto, e agora ocupa a posição 122, e é considerado um país não liberal, ou seja ruim e de alto risco para investimentos de logo prazo, ideal para o capital especulativo ( algo como uma agiotagem).

Isso implica em dificuldades enormes na capitação de recursos, no desenvolvimento de novos projetos que geram emprego e renda, além de forçar a produção intelectual que está em franca decadência desde o início do segundo governo Lula e não se recuperou até hoje, para baixo. A cada dia os postos de empregos ligados a tecnologia estão, ou desaparecendo, ou sendo ocupados por pessoas vinda de fora do país.

Com relação a essa analise o nosso PRESIDENTO Michel Temer disse que isso é bobagem, que essa coisa de liberdade de mercado e estado mínimo é uma grande bobagem. Não satisfeito com isso o PRESIDENTO anunciou um projeto de concessão no setor de infraestrutura do país. Isso seria uma ótima notícia, não fosse o projeto elaborado com 80% de investimento público, do tesouro nacional e do BNDES, ou seja, do bolso de quem pag impostos, funciona a grosso modo exatamente como as privatizações de FHC e as concessões de Lula e Dilma, uma forma de expansão artificial de credito para abrir espaço no caixa do governo que ao invés de economizar vai ampliar os gastos em 2017, basicamente o projeto é uma incubadora de crise a longo prazo, uma vez que a euforia do mercado acabe e os 20% de dinheiro do mercado sejam retirados em forma de apuração de lucros e dividendos isso vai pesar no caixa do governo, pressionando o aumento de impostos para manter a grande e pesada maquina publica, o que dará início a outro período de desaquecimento, desemprego que culmina em crise, só que dessa vez com menos lastro de capital e menos potencial de cobrança de impostos para recuperação, como vem acontecendo a cada crise que o país passa.


Nas Américas do Sul e Central ocupamos apenas a posição de número 22 no ranking de liberdade da Heritage, começamos a ter algum destaque na relação de comercio internacional, onde a classificação é de comercio “ mais ou menos” livre, mas as pesadas taxas e impostos ainda são um grande problema para a evolução do país nesse seguimento.  

A exportação resume-se a commodities, agrícolas e minerais que estão em queda no mercado mundial devido a retração da economia chinesa e o crescimento lento da economia americana, além da falta de acordos de comercio com os demais países consumidores e blocos econômicos do mundo, hoje o Brasil está fora dos grandes balcões de mercado do mundo, o fato de não agregar valor industrial e de manufatura nas commodities faz com que o mercado brasileiro sinta de forma muito direta a crise mundial no mercado das commodities.


A maior preocupação dos investidores internacionais hoje, ontem e sempre, e o motivo deles só investirem se for para ganharem muito e isso significa altas taxas de juros,  são a corrupção, a gestão ruim das Finanças Públicas e a eficiência na Regulação, tornando o mercado cada vez mais burocrático e desinteressante para o capital estrangeiro, ou seja, a falta de liberdade associado a cobrança de muitas taxas, encargos, e impostos que não são revertidos para a população, ou em benefício da facilitação de expansão do mercado e que se perdem em esquemas de corrupção em obras públicas populistas que geralmente não são acabadas, ou saem muito do prazo e desaquece o mercado e a expectativa que criaram tornam a nossa economia basicamente de especulação.


O ambiente regulatório onera e dificulta a transformação econômica necessária, enfraquece realização do pleno potencial da economia e do aumento real do tamanho do mercado brasileiro, além disso o crescimento da dívida pública e maiores custos de serviço da dívida mantém a pressão fiscal elevada, criando assim cada vez mais a necessidade do aumento da carga tributária e a manutenção dos impostos que deveriam ser transitórios, passando a definitivos, afastando o crescimento do setor privado. E isso impacta diretamente na criação de postos de trabalho.


O país vive um verdadeiro paradoxo fiscal, quer crescer e gerar emprego, por não ter dinheiro para fazê-lo ao invés de economizar aumenta a carga tributária, que por sua vez gera desemprego e recessão, onde o remédio do governo vem na forma de mais oneração ao mercado e não na forma de poupança e economia com os gastos públicos. 

sábado, 27 de agosto de 2016

Você sabe o que é a Estratégia das Tesouras? Não? Então saiba!

Você sabe o que é a estratégia das Tesouras? Não?  Você nunca reparou que o PT culpa o PSDB por tudo de errado que acontece no cenário político, econômico e social a qualquer tempo? E o PSDB por sua vez faz a mesma coisa?  Porém, se submetidos a uma análise fria, um estudo histórico dos membros dos partidos e das suas ligações ideológicas e militantes chegaremos a vários denominadores comuns, coisas como FHC e Lula nos enfrentamentos as forças militares como revolucionários, Aécio se deliciando em jantar em honra a Fidel Castro, o apelo ao socialismo, a defesa dos pobres, oprimidos, desfavorecidos, e minorias de toda ordem, além de todo o mi mi mi que usam as esquerdas brasileiras.

De todas essas estratégias de dominação social visando o poder,  talvez a mais perversa delas seja justamente a Estratégia das Tesouras.

Mas do que é que se trata essa brilhante estratégia?

A  Estratégia das Tesouras é baseada na dialética de Hegel e  Marx,  aprimorada posteriormente por Lênin e por  Gramsci. Essa estratégia faz da política e do poder estatal garantido por meio do voto popular um tabuleiro de jogos e cria em jogadores com contradições entre si, não somente no plano teórico, mas no de ação também, e nas práticas políticas, isso visando apenas  se atingir um objetivo que no caso é a conquista do poder, e a criação de uma perpetuação, de um plano para se manter nele, mas caso esse poder seja perdido, sempre cairá no colo do outro jogador que seria rival, mas que na pratica, por trás das cortinas são a base da mesma ideia, fazem parte do mesmo grupo de beneficiários políticos.

Lênin sempre falou e praticou esta política que consistia em ter dois partidos comunistas sempre dominando o cenário político, midiático, econômico e social do país, um com viés autoritário/estatal, por exemplo, e o outro ou com viés mais ameno ou democrático/apaziguador. O líder comunista Josef Stalin, que governou a União Soviética de 1920 até a sua morte em 1953 continuou a prática, Stalin basicamente era a outra face da tesoura de Lenin. Vale lembrara como ele Stalin chegou ao poder, no andamento da Primeira Guerra Mundial ele retorna a Russia com dinheiro Alemão, algo em torno de 10 milhões de dólares, para criar uma revolução interna e retirar a Russia da Primeira Guerra, assim facilitaria a vitória da Alemanha além de abrir caminho para a sua própria dominação da Russia, comento isso para que os leitores possam fazer juízo de valor e de caráter a respeito de Lênin.

A Estratégia das Tesouras consiste em um “dividionismo”, onde a briga, ou teatro, discorrem apenas entre dois lados, ou dois partidos, um de esquerda e o outro também, mas esse segundo partido sempre será chamado pelo primeiro de direita, de forma a demonizar a direita, a ponto de restringir o espetro político e ideológico no âmbito da esquerda, o que de fato chegou a ocorrer  no Brasil, assim polarizando o eleitorado, mas dentro de um entendimento único, que seria o da esquerda, atendendo os interesses da esquerda. Dessa forma domina-se o debate político se restringe a ideias de esquerda e condena os de oposição tais como liberais ou conservadores a coadjuvantes, ou mesmo ao encerramento da atividade desses partidos, por falta de público que se alinhe ideologicamente com eles, uma vez que os dois partidos protagonistas vão dominar a educação, a cultura e as artes da sociedade. Essa briga acaba por enganar o eleitor a tal ponto, que ele de fato acredita estar havendo uma real disputa política, que a escolha dele a um partido ou candidato é soberana e livre, e que a escolha de um ou de outro pode afetar o resultado do seu futuro ou os rumos daquela nação. Ledo engano.

Um bom exemplo disso é o Brasil, onde boa parte do eleitorado acredita fazer parte de um partido de direita, que supostamente defenderia a ideia do liberalismo, no caso o PSDB, na realidade não fazem parte de um partido de direita e sim apenas mais um partido de esquerda, socialista.  Esses partidos ocupam os espaços ideológicos da direita, mas as práticas são as mesmas uns dos outros. Vale se atentar que ambos defendem inúmeras bandeiras ou causas semelhantes, para não dizer exatamente iguais, os dois partidos ao chegarem ao poder não atacam alguns problemas estruturais da sociedade, mantendo monopólios e oligarquias que são os que investem dinheiro nas campanhas de ambos, podemos citar empresas de telefonia, empresas ligadas ao setor de petróleo e gás, bancos e todo tipo de empresa que tem seguimento de mercado restrito a concessão pública.

No Brasil essa estratégia é nítida, ela é desenvolvida com maestria por PSDB e PT, com a ajuda de partidos de apoio como DEM e PP de um lado e PC do B, PSB, PSOL, REDE, PDT do outro.
Todos esses partidos quando em campanha eleitoral ou em dificuldade com relação a popularidade de seus mandatos, elegem inimigos  comuns, inimigos criados no inconsciente popular nas escolas que manipula a capacidade de percepção das pessoas, alienando-as e doutrinando-as, inimigos  tais como o mercado, os banqueiros, o grande capital, a classe média, a mídia, o neoliberalismo entre outros tantos, todos esses sendo entes despersonalizados contra os quais efetivamente não se pode fazer nada, pois se tratam de entes que fazem parte de um aparelhamento do estado,  do mercado e do poder.


Então antes de falar de política, saiba o que é o espectro político que se divide em dois lados, direita e esquerda e em dois graus, liberdade e tirania segundo a compreensão de cada lado do que sejam liberdade e tirania, mais do que isso saiba que a direta só se divide em 2 vertentes de ideia, LIBERAIS e CONSERVADORES, já a esquerda em muitas, e todas as que dão errado eles tentam jogar para a direita para depois criticarem as própria ideias que não deram certo, isso vale para o comunismo, nazismo, fascismo, chavismo, bolivarianismo. O conselho é sempre antes de escolher algum lado se entenda minimamente todos os lados e que se saiba identificar os socialistas desonestos que vão para o liberalismo ou até mesmo para o conservadorismo apenas para angariar votos e serem eleitos, porém mesmo que eleitos pela direita continuam a lutar pelo progresso da revolução, chamados de progressistas, esse é o pior tipo de caráter político do espectro.  

sábado, 30 de julho de 2016

A saudade não traz ninguém de volta!


Sempre discordei do pensamento de que uma pessoa só passa a dar valor a alguém ou a algo quando perde, não achava verdadeira essa ideia.



Até ontem eu concordava com a ideia de que cada um sabe exatamente o que tem a seu lado e de certa forma não acredita na possibilidade de perder devido a esse conhecimento e a confiança nesse conhecimento.  Pensava ainda que o que não tem valor não se perde, na realidade se abandona. 


Mas a vida é sábia, e mais uma vez eu me deparo com a realidade de que sim.... Algumas pessoas só deixam para dar valor após perderem alguém de forma a não mais terem a possibilidade de recupera-la,  a pessoa ou sentimento que outrora não deram nenhum valor, desprezaram ou mesmo abandonaram, não importando o motivo. 

Hoje entendo que o a falta de confiança, o medo e a insegurança são os principais inimigos de todas as pessoas, dos relacionamentos e que tais sentimentos é que levam a uma separação ( entre pessoas, quer sejam amigos ou casais), e com o passar do tempo o orgulho torna-se um obstáculo tão grande, tão forte que acaba com todas as chances da existência de um novo começo.



Não, eu não perdi ninguém importante meus amigos!

Apenas cheguei à conclusão que algumas pessoas que outrora saíram da minha vida, por livre e espontânea vontade delas, hoje jamais voltariam, pois me deram tempo e espaço para entender que não fazem nenhuma falta e que não foi uma perda o que eu tive, e sim um alento. 

Penso ainda, que eu perdi sim algumas pessoas importantes no decorrer da minha vida, que dei tempo e espaço para que elas concluíssem que eu não era tão importante quanto eu pensava ser para elas, e o aprendizado que fica dessa reflexão é que devemos dar valor ao que temos hoje, é mais fácil do que chorar, sofrer e se arrepender amanhã, pois a vida nem sempre nos dá uma segunda chance e a saudade não traz ninguém de volta! 

Pense nisso ...

Edson Carvalho Miranda

quarta-feira, 18 de maio de 2016

Dilma e o PT inovam o sistema de transporte mundial.


Brasil lança o primeiro intermodal aéreo naval do mundo e toma a vanguarda do transporte intermodal.

Alguns dias apos a inauguraçao do Aeroporto de Goiania o aeroporto foi inundado por uma chuva, gora a presidentA pode voltar e inaugurar a interseçao entre os transportes  aéreo e naval, pois o rio que se formou nas dependencias do aeroporto propicia a inovaçao.