terça-feira, 28 de abril de 2009

A gripe que mostra a fragilidade da saúde no Brasil.


Quando falamos em saúde no Brasil, chega quase a ser uma generalização a má qualidade dos serviços de saúde pública. Não é sem motivos que temos surtos de doenças silvestres, um alto índice de mortalidade infantil, isso dentre outras ocorrências que nos causam vergonha diante do restante do mundo, uma vez que almejamos participar do grupo de países de primeiro mundo.

“ Deveria ter um índice mínimo baseado em qualidade de vida da maioria da população e qualidade de vida para um país entrar para esses grupos econômicos, que não só o PIB ou o volume de exportação de commodities”

E o que mais acarreta indignação no Brasil é que, ao contrario do que prega a nossa cultura popular, o mau exemplo é que vem de cima para baixo. Basta pegarmos a postura das autoridades constituídas e competentes, diante da “Gripe Mexicana”, também denominada de “Influenza Suína” ou “Gripe do Porco”, que mobiliza de forma quase estética as autoridades de saúde de todo o mundo, para que não vire uma pandemia e, compararmos com as medidas tímidas e ineficientes, adotadas pelo Brasil, que está dando tratamento de uma gripe comum, ou um rota vírus inofensivo. Partindo deste exemplo, os estados praticam o mesmo descaso para com a população diante da eminência de epidemias de doenças como a dengue, febre amarela e leptospirose. Descaso esse que acaba contagiando da mesma forma que as doenças citadas às autoridades das cidades que a cada ano conseguem aumentar os índices de casos e ocorrência das referidas doenças.
No Brasil tudo está sob “controle”, até o total descontrole do gasto da maquina pública que não tem dinheiro, preparo e pessoal para colocar em prática planos de emergência e contenção de surtos epidemiológicos. E olha que não estou falando na demora da ação, não! Estou falando da falta de ação, que é sempre substituída pela ações paliativas, que na maioria das vezes, só servem para mascarar a gravidade do descaso.
Sofremos da pior epidemia que um povo pode ser condenado a sofrer, padecemos da que mais mata e a que mais deixa sequelas em todo o mundo, que é a epidemia do vírus corrupção, que no Brasil se misturou ao vírus do descaso e da irresponsabilidade, resultando nessa tragédia que é a nossa saúde publica.

E em Resende? Já tem algum plano de ação e prevenção contra o vírus da gripe Mexicana?
Parece brincadeira, mas é bom nos adiantarmos, uma vez que a cidade está no meio do eixo RJ – SP e tem um volume muito grande de pessoas que vêm de várias partes do país e do mundo também!
Com a palavra as autoridades competentes.

3 comentários:

  1. Entenda a gripe suína


    Gripe surgiu em criações de porcos e reúne genes de vírus que podem atingir
    suínos, aves e humanos.


    OMS faz reunião sobre gripe suína


    AE - Agencia Estado - 27/04/2009


    GENEBRA - A Organização Mundial da Saúde (OMS) fará uma reunião de
    emergência neste sábado para decidir se vai declarar emergência na saúde
    pública internacional por conta dos casos de gripe suína que matou dezenas
    de pessoas no México e deixou pelo menos sete doentes nos Estados Unidos. É
    a primeira vez que a diretora-geral da OMS, Margaret Chan, convoca um comitê
    de crise, desde que este tipo de iniciativa foi criada há dois anos,
    informou o porta-voz da entidade, Gregory Hartl.
    Chan disse hoje que a gripe suína tem potencial para tornar-se uma pandemia,
    mas que não é possível prever se e quando isso poderá ocorrer. O comitê deve
    decidir ainda hoje se o surto de gripe suína constitui uma emergência. Caso
    positivo, a OMS pode considerar medidas como alertas de viagens, restrições
    comerciais e fechamento de fronteiras.
    O nível do alerta global para pandemia de gripe está agora na fase três, o
    que significa que o risco de o vírus se espalhar de humanos para humanos é
    inexistente ou muito pequeno. O comitê decidirá se o alerta deverá ser
    elevado para nível quatro ou cinco, dependendo da avaliação sobre a
    disseminação do vírus, afirmou Hartl. Uma elevação no nível do alerta é
    provável, já que as evidências no México indicam que o vírus se espalhou
    entre as pessoas e não apenas de animais para pessoas.
    Pelo menos 62 pessoas morreram de pneumonia severa causada por uma doença
    parecida com a gripe no México, de acordo com a OMS. Mais de mil pessoas
    ficaram doentes. Em algumas delas foi confirmada a contaminação por um tipo
    de vírus da gripe suína chamado A/H1N1. Essa variante particular do vírus
    não tinha sido vista anteriormente em suínos ou humanos, embora tenha havido
    casos de contaminação pelo H1N1. "Esta é uma grande preocupação para nós da
    OMS", disse Hartl.
    A atual vacina sazonal para gripe não oferece proteção para essa nova
    doença, mas o antiviral Tamiflu parece ser efetivo contra o H1N1. "México e
    EUA têm grandes estoques de Tamiflu", afirmou o porta-voz da organização.
    O vírus tem causado alarme no México, onde mais de mil pessoas adoeceram.
    Autoridades estão fechando escolas, museus, livrarias e teatros para conter
    a disseminação do vírus. A OMS, que tem monitorado a situação desde
    quinta-feira, disse que 12 casos no país foram confirmados como
    geneticamente idênticos ao vírus detectado na Califórnia. Autoridades
    norte-americanas disseram que sete pessoas foram infectas pela gripe suína
    na Califórnia e no Texas, mas todas se recuperaram. As informações são da
    Associated Press.


    A gripe suína uma doença respiratória de porcos causada por um vírus
    influenza tipo A que causa regularmente crises de gripe em porcos.
    Ocasionalmente, o vírus vence a barreira entre espécies e afeta humanos. O
    vírus da gripe suína clássico foi isolado pela primeira vez num porco em
    1930. Saiba o que conhecemos desta doença.

    Quantos vírus de gripe suína existem?
    Como todos os vírus de gripe, os suínos também mudam constantemente. Os
    porcos podem ser infectados por vírus de gripe aviária e humana. Quando
    todos contaminam o mesmo porco, pode haver mistura genética e novos vírus
    que são uma mistura de suíno, humano e aviário podem aparecer. No momento,
    há quatro classes principais de vírus de gripe suína do tipo A são H1N1,
    H1N2, H3N2 e H3N1.

    Qual é o vírus que está causando a crise atual?
    É uma versão nova do H1N1.

    Como os seres humanos pegam gripe suína?
    Normalmente, esses vírus não infectam humanos. Entretanto, vez por outra,
    mutações no vírus permitem que eles contaminem pessoas. Na maioria das
    vezes, os contágios acontecem quando há contato direto de humanos com
    porcos. Mas também já houve casos em que, após a transmissão inicial do
    porco para o homem, a partir dali o vírus passou a circular de pessoa para
    pessoa. Foi o caso de uma série de casos ocorridas em Wisconsin, EUA, em
    1988. Nesses casos, a transmissão ocorre como a gripe tradicional, pela
    tosse ou pelo espirro de pessoas infectadas.

    Consumir carne de porco pode causar gripe suína?
    Não. Ao cozinhar a carne de porco a 70 graus Celsius, os vírus da gripe são
    completamente destruídos, impedindo qualquer contaminação.

    O que fazer para evitar o contágio?

    O CDC (Centro de Prevenção e Controle de Doenças dos EUA) fez algumas
    recomendações para evitar a doença.

    - Cubra seu nariz e boca com um lenço quando tossir ou espirrar. Jogue no
    lixo o lenço após o uso.

    - Lave suas mãos constantemente com água e sabão, especialmente depois de
    tossir ou espirrar. Produtos à base de álcool para limpar as mãos também são
    efetivos.

    - Evite tocar seus olhos, nariz ou boca. Os germes se espalham deste modo.

    - Evite contato próximo com pessoas doentes.

    - Se você ficar doente, fique em casa e limite o contato com outros, para
    evitar infectá-los.

    Quais são os sintomas da gripe suína?
    Os sintomas são normalmente similares aos da gripe comum e incluem febre,
    letargia, falta de apetite e tosse. Algumas pessoas com gripe suína também
    tiveram coriza, garganta seca, náusea, vômito e diarreia.

    Como se faz o diagnóstico de gripe suína?
    Para identificar uma infecção por um vírus influenza do tipo A, é preciso
    analisar amostras respiratórias do paciente durante os primeiros 4 ou 5 dias
    da doença -- quando uma pessoa infectada tem mais chance de estar espalhando
    o vírus. Entretanto, algumas pessoas, especialmente crianças, podem manter o
    vírus presente por dez dias ou mais. A identificação do vírus é então feita
    em teste de laboratório.

    Há medicamentos disponíveis para tratar infecções de gripe suína em humanos?

    As drogas zanamivir e oseltamivir (nome comercial Tamiflu) já mostraram
    eficácia ao tratar ou ajudar na prevenção de infecção com vírus da gripe
    suína. Impressões iniciais dão conta de que essas drogas diminuem a
    agressividade do quadro infeccioso para a versão atual do H1N1 suíno.

    Há vacinas para a gripe suína?
    No momento, somente para porcos, que são mais constantemente afetados por
    esse tipo de vírus. Mas as autoridades já anunciaram estar trabalhando numa
    versão humana da vacina. As vacinações rotineiras de gripe feitas em humanos
    não combatem os vírus do tipo H1N1.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Em meio a um mundo globalizado em que vivemos, todas doenças epidêmicas são perigosas, pela rapidez com que são propagadas. Só espero que o governo (que costuma ser ineficiênte, é so ver os números crescentes da dengue e da tuberculose), dessa vez faça a coisa certa. O melhor remédio é a prevenção e a informação.

    ResponderExcluir