domingo, 10 de maio de 2009

Uma nova opção de diversão em Resende.

Na sexta feira última, dia 08 de maio de 2009, foi inaugurada mais uma opção de entretenimento noturno na região de Resende e cercanias.
Sem muitas novidades e, baseando-se nos mesmos princípios das boates já existentes na região, a inauguração pode ser considerada um sucesso!


Sucesso de público, pois os baladeiros da região fizeram presença em ótimo número, em atrações, pois a diversão foi garantida do início ao fim da Vibe, de segurança e de organização!
Faz tempo que não vejo uma casa tão promissora em Resende ou na região! Alguns incômodos devem ser corrigidos, para manter a fidelidade de quem paga caro para estar no ambiente. Entre esses incômodos podemos destacar, o numero insuficiente de sanitários, masculinos e femininos, para a proposta de público do local. A ampliação de locais de venda de fichas de consumo ao usuário da casa, que tem que se submeter a longas filas sem a presença de seguranças, o que acaba motivando alguns contratempos e, infelizmente, na maioria das vezes pela falta de educação de algumas pessoas que parecem sair de casa para arrumar brigas e pensam que os seus direitos vão além do direito dos demais.
Destaca-se também a falta de ambientes separados, um para os DJs e outro para shows, bandas, apresentações, etc., o que é o mínimo de padrão que se encontra nas melhores da região, principalmente as do estado de SP.
O estacionamento parece ser o grande vilão contra a diversão em nossa região! Parece não existir uma fórmula de se conciliar, estacionamento, diversão e o não cometimento de infração as normas de transito. O estacionamento da casa é pequeno, o lugar que estava sendo disponibilizado para os clientes não foi suficiente e, por fim, os carros se amontoaram as margens da estrada interestadual que passa na frente da casa e que tem, nos finais de semana, sua maior carga de trafego, criando assim, uma situação bastante insegura.
Outra situação desagradável, além de insegura, foi causada pelo acúmulo de lixo, no decorrer da noite, em todos os ambientes da casa, faltou um sistema de limpeza, principalmente de latinhas, copos e cacos de vidro, gerados por garrafas quebradas.
Não fossem esses pequenos estorvos, que foram observados por muitos que por lá estiveram, e um canteiro colocado no meio da área externa que só criou muitas cacetadas, derrubando os mais desavisados e “etilizados” frequentadores que acabavam por tropeçar no incomodo e quase invisível obstáculo, a noite foi muito boa.
A decoração do espaço está muito legal, promete muito conforme declararam os idealizadores do projeto, afirmando que a tendência é sempre melhorar.
O atendimento dos bares foi um caso a parte! Uma grata surpresa, pessoas sempre sorridentes, educadas e de fato dispostas a estarem ali trabalhando. Não notei qualquer incidente ou reclamação.
As atrações musicais, DJs Nando Reis e Cruel, para variar, deram um verdadeiro show, o que reforça o pedido de se ter um ambiente só para esses verdadeiros artistas das picapes. As bandas que se apresentaram foram felizes no clima e na energia que passaram para o publico, tanto quanto no repertório diversificado, algo novo para a nossa cidade, pois muitas das vezes fica difícil notar quando saiu uma banda e entrou outra, devido ao repertório repetitivo.
Agora é torcer para que, a exemplo de outras casas que estão bombando há mais de 10 anos, todos os finais de semanas sejam tratados como uma inauguração, para termos assim diversão de qualidade com um preço justo, pois 30 pilas todo final de semana, ao menos com o que foi oferecido, é muito para o dinheiro e pouco para justificar as atrações, se tomarmos como padrão as casas maiores e mais tradicionais da região.



Parabéns aos idealizadores, empresários, funcionários e demais envolvidos no projeto. Em um balanço geral, o saldo da repercussão entre o público que gosta da noite, foi muito bom, na realidade o balanço foi quase muito bom (risos), não querendo ser maldoso, mas já sendo! “O comentário geral dentre os que estavam batendo papo por perto dos barzinhos, incluindo os que estavam com as pulseirinhas, era de que”: Se aquela área Vip foi criada para ser algo mais formal, para receber algumas pessoas cuja imagem faz bem e traz boa repercussão para a casa, não fosse a gripe do porco, a iniciativa passaria despercebida. Mas como tudo, na nossa querida cidade, vira brincadeira e piada, com os advindos da gripe do porco ficar em um chiqueirinho não é algo que se possa chamar, e ser, cheio de glamour.

Nenhum comentário:

Postar um comentário