quinta-feira, 7 de abril de 2011

Uso de celular é proíbido no interior de agências bancárias em todo o Estado do RJ

Lei 5939/2011 (RJ), agora além de esperar na fila do banco, você está proibido de falar no celular.

O Presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, em conformidade com o que dispõe o §5º, combinado com o §7º, do artigo 115 da Constituição Estadual, promulga a Lei nº 5939, de 4 de abril de 2011, oriunda do Projeto de Lei nº 3104, de 2010.

Lei nº 5939, de 4 de abril de 2011.

DISPÕE SOBRE A PROIBIÇÃO DE CELULARES E APARELHOS DE TRANSMISSÃO NO INTERIOR DAS AGÊNCIAS BANCÁRIAS.




A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

D E C R E T A:


Art. 1º Fica proibido no âmbito do Estado do Rio de Janeiro, o uso de celular, radio transmissor, palm top e similares no interior das agências bancárias.

Parágrafo Único. Os funcionários, bem como os vigilantes que fazem a segurança das agências bancárias, ficam responsáveis pela proibição expressa no caput desta Lei.

Art. 2º As agências bancárias divulgarão a proibição contida nesta Lei, através de cartazes afixados no seu interior.

Art. 3º Esta Lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, em 4 de abril de 2011.

DEPUTADO PAULO MELO
Presidente

Autor: Deputado DOMINGOS BRAZÃO


Mais uma pérola dos nossos legisladores, eles não conseguem coibir o crime e nos jogam no mesmo saco dos bandidos.

Conclusão:

Sem poder atender os celulares dentro das agências e, com a incompetência dos bancos em atender os clientes de forma rápida, nós os clientes vamos mais uma vez pagar a conta, ou as contas. A conta dos impostos para garantir a incompetência do estado na gestão da segurança publica em não conseguir coibir os crimes de saidinha de banco, a conta das altas taxas bancárias que garantem os altos salários dos funcionários e executivos dos bancos, além das fortunas dos banqueiros, a conta do prejuízo de não poder atender os clientes durante as árduas horas perdidas nas filas dos bancos, que agora terão que ser horas incomunicáveis, gerando assim prejuízos para quem depende do celular como meio de gerar receita, fechar negócios, ou mesmo sendo a única forma de contato com os clientes de quem sempre paga a conta nos bancos e dos bancos, ou seja, nós os contribuintes, clientes de banco, clientes das operadoras de celular.

Nesse país o debate e a tomada de decisão sobre algum tema, nunca chega ao seu principal interessado, o contribuinte, as decisões ficam na esfera do poder politico onde sempre existem interesses financeiros envolvidos e as decisões ao contrário da democracia, são sempre a favor da minoria, que acaba tendo a maioria nas votações dado o poderio econômico que exercem.

Não importa se o governo é de esquerda ou de direita, com tendências socialistas, comunistas ou capitalistas o que importa é a qualquer custo conseguir dinheiro para comprar sem se vender, e mais uma vez, nós fomos vencidos, vendidos e votados como bandidos e por isso proibidos de utilizar o celular dentro do banco.

Mas será que essa lei vai valer mesmo para todo mundo? O policial, o juiz, o desembargador, o promotor de justiça, e demais autoridades da sociedade vão desligar seus aparelhos ao entrarem nas agencias, ou como sempre vão enfiar uma carteirada na cara do segurança e entrarem sem a menor cerimônia?

No fim das contas continua tudo igual, os bandidos soltos assaltando na saidinha do banco, os eleitores, ops... eleitores agora não, agora eles são oposição, sendo assaltados, os banqueiros ganhando suas fortunas anuais, e os políticos continuarão prometendo, não cumprindo e sempre fazendo as leis que vão contra o desejo de quem vota neles, de quem paga o salário deles e a quem eles pagam, com leis esdrúxulas que além de prejuízos, geram sacrifícios, desconforto, mais insegurança e muita polêmica, polêmica para disfarçar a incompetência de sua administração, neste caso especifico o Governador do estado do Rio de Janeiro, a mesma polêmica que é utilizada para esconder a insipidez das ultimas legislaturas da Assembleia Legislativa, que muito pouco, ou nada fez em prol do povo, apenas politica em prol da angariação de votos de cidadãos que em 2012 já terão esquecido de mais esse desmando, e ainda pior, irão de alguma forma manipular alguns números, para que caiam as incidências de assaltos em bancos e saídas para dizerem que a lei funcionou, atá por que, depois de 6 meses tudo volta ao normal, já que até o ladrão que for preso com os benefícios a população dessa lei já vai ter cumprido 1/6 da pena e portanto já estará livre, e sem os malditos celulares ligados para filmarem suas ações.

Mesmo assim, obrigado senhor governador do Estado do Rio de Janeiro, Sr. Sérgio Cabral e seu fiel escudeiro o prefeito da cidade do RJ, Eduardo Paes, que não atuaram na segurança pública dando margem assim a criação dessa aberração.

Obrigado a ALERJ por nos presentear com uma lei de tal relevância ao combate do crime e suas ramificações, dada a sua abrangência e eficácia comprovada.

E o agradecimento especial ao Deputado Estadual Domingos Brazão, pela originalidade e criatividade em não gastar dinheiro público com a segurança pública, e sim criar uma lei que abre espaço para muita mídia e pouco resultado, o senhor conseguiu fazer uma coisa que já era ruim (fila de banco) ficar ainda pior. Com certeza muitos eleitores se lembrarão disso!

Nenhum comentário:

Postar um comentário