sábado, 21 de abril de 2012

É para pensar!


Se um branco sai com uma camisa preta escrito 100% BRANCO, é preso taxado de ser racista, mesmo não estando cometendo nenhum crime, enquadrado como anarquista, perturbação da ordem, nazista, e todo tipo de rótulo pejorativo que se possa imaginar.

Se um negão sai com a mesma camisa mas escritor 100% NEGRO, é orgulho, o cidadão exercendo sua cidadania, cultura.... ( SERÁ?)

Se um “branquelo” chama o amigo negro de “fala aí negão, macaco sem vergonha!” tá preso e ainda vai ter um monte de malucos militantes das mais diversas corretes na frente da delegacia chamando-o dos nomes supracitados;

Mas se um negão chama outro amigo negão “de “fala aí negão, macaco sem vergonha!” ninguém fala nada são só dois amigos se cumprimentando!  (...SERÁ?)

Se eu um relés mortal resolvo manifestar minha indignação por conta da existência das tais cotas raciais, e dou um ministro do STF como exemplo, novamente acontece o supracitado.

Mas quando é o Presidente do STF que diz que seu colega também ministro, é um cotista, nada acontece. 

( ...E AÍ QUAL A CONCLUSÃO?)

Será que já não passou da hora de notarmos que nossa sociedade evolui anos luz do nosso legislativo e décadas a fio, mais rápida do que o nosso poder judiciário e que já está na hora de se fazer uma lei onde o obrigatório, o principio de tudo seja a educação? E que essa seja a única lei verdadeiramente aplicada com punição de dois ou três dias de cadeia mais uns mil reais de multa, incluindo para juízes, policiais, e todo tipo de autoridade ou cidadão que assim como os bandidos vivem a margem da lei, que somente é imposta aos cidadãos trabalhadores? 


2 comentários:

  1. A maldade não está no que se vê, no que se escuta, nem no que se lê.
    A maldade está no que se pensa.
    Os negros e mestiços foram injustiçados durante séculos.
    Agora ficam na defensiva.
    Se não estiver nos padrões deles, é ofensa.
    “É crime”.
    A qualquer momento, os “brancos” terão receio de dirigir a palavra a eles.
    Meus melhores amigos eram negros.
    Não havia preconceitos na nossa amizade.
    É uma questão de criação, de formação, de cultura.

    ResponderExcluir
  2. Pois é Renato então não entendo o motivo das leis... E também não vejo o que a nossa geração tem haver com a injustiça dos seculos passados, não podemos pagar um preço de algo que não gastamos, concordo que a coisa começa e encerra-se na cultura e no respeito. Mas pelo que tenho visto o que vai acontecer é ter ao invés preconceito contra negros teremos contra cotistas etc

    ResponderExcluir