quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Até os americanos sabem mais da Petrobras do que nós brasileiros.

Petrobras é o maior escândalo de corrupção da história, em países democráticos. - Texto retirado da matéria do The New York Times, Landon Thomas JR. 


A Petrobras gerida pelo governo Federal do Brasil, disse em um comunicado de uma linha em seu site, que CEO Maria das Graças Foster e outros cinco diretores executivos estavam fora, demitidos, mantendo apenas um dos nomes, que estão supostamente envolvido nos escândalos de corrupção. 
Nenhum dos altos funcionários estão sendo acusados de delito, mas os promotores disseram que a investigação ainda está em seus estágios iniciais e isso pode mudar a qualquer momento.

O partido da presidente Dilma, o PT, afirma que tudo é culpa da mídia mundial, em uma conspiração.

Primeiro lançaram a ideia de que a conspiração seria contra o país, depois vendo que tal argumento seria um exagero, além de ridículo, afirmaram que era apenas contra o partido, agora afirmam que a conspiração é definitivamente contra a endividada Petrobras. 
Os brasileiros deveriam aprender que quando a empresa mais endividada do mundo adia um release de resultados econômicos de um ano fiscal, devido a um escândalo de corrupção, uma oscilação negativa nos mercados é de se esperar. 

Com isso, a Petrobras viu a sua capacidade de endividamento ser rebaixada pelas agencias Moody e Fitch na semana passada, sufocando ainda mais a sua capacidade de contrair empréstimos nos mercados internacionais e portanto de crescimento.

O governo federal ironiza ainda mais a situação, com a desculpa de estar se organizando, sub o pretextos de reestruturação da  governança  e conformidade  a empresa de petróleo que  é a maior empresa do Brasil, e tem o deposito da esperança dos brasileiros de gerar a riqueza que os líderes esperam irá impulsionar o país ao status do mundo desenvolvido. Mas a empresa flagelada com as dívidas, não cumpriu as metas de desenvolvimento, e as riquezas permanecem enterradas nas profundezas do mar.


Nenhum comentário:

Postar um comentário